Artesanato – um pouquinho de teoria

Realmente, a prática do artesanato traz benefícios para o corpo e principalmente para a mente…

Por isso quero compartilhar com vocês um texto muito interessante que encontrei que fala um pouquinho sobre o conceito de “Artesanato”. Retirei alguns trechos que achei interessante, confira:

A palavra arte pode assumir várias significações na linguagem, falando-se da transformação da matéria bruta pelo homem, ela pode representar uma forma de produção quando se desenvolve na procura do útil; ou uma forma de expressão se se desenvolve na procura do belo.

O estilo do artesão empresta originalidade a seus objetos, como que a marca pessoal, enquanto o padrão é a marca do grupo. Cada artesão escolhe um estilo, mas não deixa de ser influenciado pelo ambiente (a natureza) em que vive e pelos modos de vida própria da área cultural que pertence.

A atividade artesanal esta ligada aos recursos naturais do estilo de vida e do grau de comércio com comunidades vizinhas sendo o artesanato uma manifestação da vida comunitária, o trabalho se orienta no sentido de produzir objetos de uso mais comum no lugar, seja em função utilitária, lúdica, decorativa ou religiosa. Não podemos falar em artesanato somente com o objetivo comercial, pois ele pode ser produzido para consumo próprio ou mesmo doação sem perder sua característica artesanal.

Artesão

Artesão é a pessoa que faz a mão objetos de uso freqüente na comunidade. Seu aparecimento foi resultado de pressão da necessidade sobre a inteligência aliada ao poder de inovar, possibilitando também ligar o passado ao presente, mediante a linguagem; possibilitou as gerações mais novas receber das mais velhas, suas técnicas e demais experiências acumuladas.

Perspectiva histórica do artesanato 

O regime de trabalho que reúne as diferentes técnicas manuais de produção só recentemente ganhou nome, embora história assinala a presença de objetos feitos a mão em todas as épocas e nas mais variadas culturas. A atividade artesanal é muito antiga, há pelo menos meio milhão de anos o homem de Pequim conhecia e já fazia uso do fogo e sabia fabricar instrumentos de quartzo e de grés.

No Brasil em seus primeiros anos de colonização foram instaladas oficinas artesanais que se espalharam por todas as comunidades urbanas e rurais, onde os artesãos tiveram ensejo de desenvolver suas habilidades.

O conceito de artesanato

Inicialmente o que caracteriza o artesanato é a transformação da matéria-prima em objetos úteis, quem realiza esta atividade denomina-se artesão, este reproduz objetos que chegaram até ele através da tradição familiar ou cria novos de acordo com suas necessidades.

Sendo o artesanato uma manifestação de vida comunitária, o trabalho se orienta no sentido de produzir objetos de uso mais comum no lugar, seja em função utilitária, côo lúdica, decorativa ou religiosa.

O artesanato é um sistema de trabalho do povo, se bem que pode ser encontrado em todas as camadas sociais e níveis culturais. Podendo ser denominado artesanato indígena, ou primitivo, folclórico ou semi-erudito, requintado.

O artesanato sob alguns pontos de vista

 Social — Possibilitando ao artesão melhores condições de vida e atuando contra o desemprego, o artesanato pode ser considerado elemento de equilíbrio no país e fator de coesão, de paz social. Conforme se sabe, este sistema de trabalho conta com a participação ativa da família. O lar, então, além de centro de vida é também núcleo de aprendizagem profissional. Outrossim, o mestre-artesão desempenha um papel relevante na comunidade e sua arte é fator de prestígio.

Artístico — O artesanato desperta as aptidões latentes do obreiro e aprimora-lhe o intelecto. Suas mãos, obedientes a impulsos mentais e inteligentes, deslocam a matéria-bruta, grosseira e passiva, e convertem-na com o calor de sua imaginação em coisa útil e por vezes bela. É a idéia que deseja a forma. Vale repisar que o povo não faz arte desinteressada ou arte pela arte, mas, não raramente, sobre ser utilitária, suas peças são bem acabadas, produzidas com esmero e revelam bom-gosto. Se o artesão, ale’m de habilidade manual, possuir talento e sensibilidade, aí então ele vira artista. Desse modo, sua experiência artesanal seria apenas uma fase de formação artística.

Moral — O artesanato pode dar causa ao aperfeiçoamento espiritual e moral do artesão, sendo certo que o trabalho afasta a pessoa dos vícios e da delinqüência,

Terapêutico — O artesanato abranda o temperamento hostil ou agitado de pessoas que sofrem desvios de personalidade, as quais poderão corrigir suas aberrações através da ocupação manual. Se, por exemplo, um tipo psicológico agressivo deseja fazer mal a alguém, ele o realiza — digamos no barro, e então se satisfaz, por transferência, assim se liberta do incômodo, livra-se de seu estado de tensão e obtém o equilíbrio intrapsíquico ou paz interior. Esse trabalho se recomenda ainda a certos enfermos que são obrigados a permanecer no leito durante muito tempo, embora tenham válidas as mãos e possam produzir certos objetos que exigem mais habilidade e paciência do que esforço físico.

 Fonte do texto.

Não é demais??? Galera, artesanato é tudo de bom!!!

Babi Uehara

História da Arte: Modigliani

Há mais ou menos um ano eu descobri que já conhecia uma obra do artista Modigliani desde criança.

Havia na sala da casa da minha avó paterna uma uma gravura de uma mulher com olhos marcantes e uma boca vermelha, deitada  e com os braços para cima.

Para minha surpresa há pouco tempo descobri que aquela gravura era de Modigliani… (risos)!

Fui conferir a exposição das obras do artista que está disponível no MASP e aproveitei para conhecer um pouquinho mais sobre ele e quero compartilhar com vocês:

Nome completo: Amadeo Clemente Modigliani
Nascimento: 12 de julho de 1884 em Livorno – Itália
Onde estudou arte: Diversas cidades da Itália inclusive Scuela Libera di Nudo em Florença, Escola de Belas Artes de Veneza, Escola de Nu de Paris.
Tipos de técnicas que desenvolveu: Pintura e escultura em pedra
Principais características de suas obras: Olhos cegos, desprovidos de íris e pupilas, inteiros numa única cor e, sobretudo, o grande alongamento do pescoço, que confere à figura uma ambígua e extraordinária elegância.
Morte:
1920 aos 35 anos em Paris

Autodidata e dono de um estilo inconfundível, Modigliani teve uma vida intensa, marcada por grandes amores e infortúnios (vida boêmia e excesso de alcóol, saúde fragilizada devido à tuberculose). Morto precocemente em 1920, aos 35 anos, conviveu com os principais nomes da cena artística parisiense de sua época.

A exposição trouxe à SP várias peças do autor e uma rica linha do tempo contando toda a sua história. Conheça você também a Exposição:

Modigliani: Imagens de uma Vida –  De 17 de maio a 15 de julho, no MASP
De preferência às terças-feiras que é de graça!

Espero que tenham gostado! Criei uma nova seção no blog chamada “História da Arte” que compartilharei com vocês o que ando estudando sobre o assunto.  Modigliani não é o artisita do meu estilo favorito, então nos próximos meses falarei de alguns que admiro mais.

E você admira o estilo artístico de algum pintor ou escultor?

Babi Uehara